O Festival de Curitiba anunciou, na manhã desta quinta-feira (7), a programação de sua 28ª edição. Com curadoria de Marcio Abreu e Guilherme Weber, o projeto neste ano faz menção à obra "A Insurreição que Vem", do Comitê Invisível, escrito na França em 2007.

É uma obra que aponta um iminente colapso da civilização e do capitalismo e investiga questões sociais, relações de trabalho, a economia e a urbanidade. "Se a crise do país parece dizer que já não existe linguagem para a experiência comum, nossos artistas apontam pistas e trilhas com reflexões significativas para o futuro quando põem em foco a crítica do presente, fazendo também da linguagem a possibilidade de transformação de uma nação", diz trecho do texto curatorial.

Um dos destaques na programação é o retorno de Regina Casé ao teatro depois de 25 anos, em parceria com Hamilton Vaz Pereira, que a dirigiu no lendário Asdrúbal Trouxe o Trombone, grupo dos anos 1970.  Dentro da grade da Mostra Oficial, o Festival de Curitiba terá ainda duas séries especiais: uma com espetáculos do grupo Os Satyros, e outra com peças do diretor e dramaturgo curitibano Marcos Damasceno e sua mulher, a atriz Rosana Stavis.  

PROGRAMAÇÃO DA MOSTRA OFICIAL DO FESTIVAL DE CURITIBA

"Abujamra Presente", dias 30 e 31 de março  Reúne o elenco da companhia Os Fodidos Privilegiados.

"Aquele que Cai", dia 27 de março Criação do coreógrafo, bailarino e acrobata francês Yoann Bourgeois. 

"As Comadres", dias 27 e 28 de março A diretora francesa Ariane Mnouchkine em seu primeiro trabalho fora do Théâtre du Soleil.

"Dezembro", dias 6 e 7 de abril Texto do chileno Guillermo Calderón, com direção de Diego Fortes. 

"Dogville", dias 2 e 3 de abril Com Mel Lisboa e Fábio Assunção.

"Do Convento a Sala de Concerto", dias 27 e 28 de março A soprano brasileira radicada em Londres, Gabriela Laccio, se apresenta com as pianistas Cristina Capparelli.

"Elza", dias 5 e 6 de abril Sete atrizes interpretam o musical sobre Elza Soares. 

"Fedra", dias 27 e 28 de março  Criação inspirada na peça da dramaturga inglesa Sara Kane

"Amor de Phaedra", dirigida por Eduardo Ramos e Michelle Moura.

"O Frenético Dancin' Days", dias 2 e 3 de abril Musical com direção geral de Deborah Colker.

"Fúria", dias 4 e 5 de abril Criação da coreógrafa Lia Rodrigues.

"Ícaro", dias 6 e 7 de abril O ator Luciano Mallmann reflete sua própria experiência como cadeirante e artista.

"O Quadro de Todos Juntos", dias 3 e 4 de abril   Espetáculo do grupo mineiro Pigmalião Escultura que Mexe. 

"Quando Quebra Queima", dias 4 e 5 de abril Construída pelos estudantes que participaram de ocupações nas escolas contra o fechamento de centenas de salas de aula no país.

"Isto é um negro?", dias 30 e 31 de março  Dirigido por Tarina Quelho, artista com trajetória permeável entre dança, performance e teatro.

"Navalha Na Carne - Uma Homenagem a Tônia Carrero", dias 1 e 2 de abril Texto de Plínio Marcos, com menções à atriz que o encenou nos anos 1960.

"Navalha Na Carne Negra", dias 3 e 4 de abril Versão do texto de Plínio Marcos encenada com atores negros.

"Outros", dias 28 e 29 de março Parceria entre o Grupo Galpão e o dramaturgo e diretor Marcio Abreu.

"Odisseia", dias 4 e 5 de abril A Cia Hiato completa 10 anos de atividades visitando Homero.

"Orquestra Mundana Refugi", dias 5 e 6 de abril Conjunto formado por músicos brasileiros, imigrantes e refugiados vindos de países em situação de conflito social como Palestina, Congo, Guiné e Irã.

"Panorâmica Insana", dias 30 e 31 de março A diretora Bia Lessa articula textos de diversos autores para falar de gênero, miséria, violência e política.  

"Peça Para Adultos Feita Por Crianças", dias 29 e 30 de março Elisa Othake cria junto com cinco crianças uma versão de "Hamlet".

"Relatos Efêmeros da França Antártica", dias 31 de março e 1º de abril Francisco Carlos, dramaturgo e diretor amazonense, faz um mergulho na complexa história colonial brasileira.

"O Recital da Onça", dias 28 e 29 de março Marca a volta aos palcos, após 25 anos, da atriz Regina Casé, e o reencontro com o diretor Hamilton Vaz Pereira.

"Sísifo.Gif", dias 6 e 7 de abril A dramaturgia de Gregório Duvivier e Vinícius Calderoni investiga como transpor para o palco a linguagem do gif.

"Tráfico", dias 6 e 7 de abril Sérgio Blanco, dramaturgo e diretor uruguaio radicado na França, cria história sobre garoto de programa.

"Tripas", dias 6 e 7 de abril Com texto e direção de Pedro Kosovski e atuação de Ricardo Kosovski, coloca em cena uma relação complexa entre pai e filho. 

"Uma Frase para Minha Mãe", dias 1 e 2 de abril Espetáculo de Ana Kfouri criado em diálogo entre o teatro e a literatura.

 

Leia Também

>>> Festival de Curitiba de 2019 começa em 26 de março