Foram quase cinco horas de shows (somados) de duas bandas com perfis diferentes e que fazem parte (considerável) do melhor e mais popular rock dos dias atuais. Foo Fighters e Queens of The Stone Age levaram sua turnê conjunta para Curitiba, na Pedreira Paulo Leminski, na noite desta sexta-feira (2). Uma chuva caiu no começo da noite mas não atrapalhou a festa do rock.

>>> Pedreira, Barigui, MON... como eram os principais pontos de Curitiba “antes da fama”

O show de abertura ficou com a banda brasileira Ego Kil Talent que tocou sete músicas de seu álbum homônimo e foi competente para esquentar a galera que chegou antes à Pedreira. A tour passou pelo Rio de Janeiro (no dia 25 de fevereiro)  e São Paulo (nos dias 27 e 28 de fevereiro) e agora segue para Porto Alegre, no dia 4 de março.

>>> 10 passeios diferentões em Curitiba sem gastar nada

Com direito a lua cheia e lotação esgotada na Pedreira (quase 20 mil pessoas), o Foo Fighters fez um show de quase três horas de rock n' roll raiz em completa sintonia com seu público. A banda é energética, aeróbica, saltitante. Enquanto o show do Queens of The Stone é seco, direto ao ponto e com o som pesado.

Durante todo o show enquanto se comunica com a plateia, Dave Grohl fez questão de enfatizar que o Foo Fighters é nada mais que uma banda de rock’ n roll. Ele defende o rock, zomba de quem diz que o rock “está morto”.

Grohl , o pontual

Como de costume, exatamente 21h30, Grohl irrompeu correndo no palco com sua Gibson Azul DG-335 com um de seus famosos gritos no microfone no início de Run. O músico aburou de longos solos, truques com a plateia, diversão bem humorada - o pacote inteiro na primeira vez da banda em Curitiba.

Grohl é um MC (Mestre de Cerimônias) e certamente um dos artistas do mainstream que tem melhor controle do seu público. Sua veia de comediante ajuda neste ponto, ele faz caretas, conta piadas, brinca e provoca o público e os colegas de bandas

Ainda que estejam em plena divulgação de álbum mais recente, o show é uma coletânea dos 24 anos do Foo Fighters (e nove álbuns), um greatest hits com três horas. O público curte as versões estendidas por solos e improvisações de suas músicas preferidas

A primeira parte do show, a banda não dá trégua. No meio do concerto, um dos momentos mais divertidos da apresentação, cada membro é apresentado e anunciado por Grohl, tocando covers dos maiores nomes da música. 

O baixista Nate Mendel mandou ver com Billie Jean do Michael Jackson, o teclasista tocou Imagine do John Lennon enquanto a banda cantou Jump do Van Halen. Na vez de Pat Smear veio Ramones com Blitzkrieg Bop.

Depois disso, Grohl ainda pergunta ao povo se o baterista Taylor Hawkins podia tocar mais uma, do Queen. Diante do consentimento, é Taylor quem assumiu o microfone e Grohl pegou as baquetas – vale lembrar que o frontman do FF é ex-baterista do Nirvana, e vê-lo na bateria é especial para os fãs.

Antes de voltarem para o bis, a câmera corta para o  backstage e Taylor e Grohl encenam um divertido número com o público para escolher o número de canções que a banda vai tocar.

Setlist do show em Curitiba

Run

All My Life

Learn To Fly

Pretender

Sky

Rope

My Hero

These Days

Walk

Breakout

Imagine Jump

Under Pressure (Queen)

Monkey Wrench

Times Like These

Generator

Big Me

This is a Call

Best Of You

Dirty Water

Let There Be Rock

Everlong

QOTSA

O show do quinteto liderado por Josh Homme não é alegre ou bonito: é pesado, atormentado e muito bom. Dá pra dizer sem errar que o som pesado e meio hipnótico do QOTSA funciona melhor na Pedreira do que num grande estádio.

A banda entrou 5 minutos antes do previsto, às 19h25. Josh Homme disse que o público curitibano era melhor do que o do Rio de Janeiro. Ele é um band leader peculiar, jeito de caipira invocado e autor de canções sofisticadas.

Josh que tem um temperamento intempestivo no palco, se limitou a chutrar os postes flexíveis de luz que decoram o palco. A apresentação durou uma hora e meia e mesclou hits com o material do último álbum Villains, lançado em agosto de 2017, com produção de Mark Ronson.

O fato de boa parte dos fãs não conhecer o mateiral, no entanto, não prejudicou o desempenho da banda.

Os músicos intercalaram sequências de pura ode ao heavy metal com faixas que flertam com outros gêneros, como a dançante The Way You Used To Do, parceria do Queens com Mark Ronson, do hit Uptown Funk.

A lua cheia apareceu e o QOTSA terminou sua parte de forma triunfal fazendo a Pedreira cantar junto o hit Go With The Flow.