cartão

Assinatura:

Gazeta recomenda

Príncipe das Trevas está chegando a Curitiba

Em entrevista exclusiva, astro fala sobre o último show em Curitiba, a volta de Zakk Wylde à banda e da série The Osbournes como podcast

  • Sandro Moser
  • 04/05/2018
  • 19:03
Príncipe das Trevas está chegando a Curitiba Ozzy Osbourne na Pedreira em 2015: última visita do 'principe das trevas' será em maio. Fotos: Marcelo Andrade / Gazeta do Povo.
Ozzy em Curitiba } Ozzy em Curitiba }

O show de Ozzy Osbourne na Pedreira Paulo Leminski, no próximo dia 16 de maio, será a despedida do grande ícone do rock pesado do público de Curitiba. A terceira visita de Ozzy à cidade é parte da sua última grande turnê batizada de “No More Tours 2”, que vai durar até 2020 e passará por cinco continentes.

O nome é uma piada com o fato do cantor já ter feito uma grande “turnê de despedida” em 1992. Ozzy se apressa em dizer que após 2020 (quando terá 72 anos) não vai se aposentar, “apenas não fará mais longas turnês”, o que implica não voltar a cantar por aqui. “Eu vou tentar dar meu melhor nestes dois anos e tomara que minha voz aguente bem e continue boa”, disse.

>>> Clube dos Solitários completa 30 anos unindo mais de 8 mil casais

“O mais importante para mim agora é isso: dar a vocês o melhor que eu puder, depois eu penso no que fazer”, completou, dizendo que quer cuidar dos netos e talvez montar um clube noturno próprio para cantar quando quiser.  

Na entrevista por telefone para o Guia da Gazeta do Povo + Clube, Ozzy estava em sua casa em Los Angeles e disse que se lembrava dos dois últimos shows que fez na Pedreira, um em 2015 e outro com o Black Sabbath no ano seguinte. “Eu quero voltar aí deixar vocês atordoados de novo".

>>> Ozzy leva milhares ao delírio na Pedreira

>>> Black Sabbath faz show rápido, pesado e certeiro em Curitiba

Volta de Zakk Wylde e o toque de midas

A principal novidade desta turnê é a volta do guitarrista Zakk Wylde, depois de uma década de separação. Wylde já tocou com Ozzy entre 1987 e 1995, no ano de 1998, entre 2001 e 2004 e depois entre 2006 e 2009. Foram cinco discos de estúdio e três álbuns ao vivo.

Para Ozzy, a reunião foi como unir o útil ao agradável (bussines with pleasure, na expressão em inglês). “Eu o chamei para alguns shows no ano passado e ele está tocando melhor do que nunca e tem sido muito bom para todos”, disse.

Ozzy reconhece que tem certo ‘toque de midas’ para se unir a grandes guitarristas: mágica que funcionou com Tony Iommi no Black Sabbath, com Randy Rhoads (1956-1982)  e com Wylde (sem falar em Jake E. Lee e Gus G) . “Eu não sei por que tenho esta sorte, mas fico bem feliz de acertar sempre neste ponto”.

Quanto ao repertório, ele promete incluir canções que de seus álbuns que os fãs adoram, mas que raramente foram tocadas ao vivo como Waiting For Darkness (do álbum Diary of a Madman) e, claro, todos os seus clássicos desde o período do Black Sabbath.

Ozzy disse que não sabe dizer que forças o fizeram ter hoje em dia, “a carreira e a família” que tem, depois de ter cometido tantas “imprudências na vida”. “Eu não posso nem pensar muito nisso, é muito improvável de ter acontecido 50 anos na estrada, 40 como artista solo. Uma sorte sem tamanho eu ter chego até aqui nesta longa carreira”, disse.

Como os Beatles salvaram a vida do “príncipe das trevas”

Antes de se juntar ao Black Sabbath e mudar a história do rock, Ozzy teve empregos “difíceis” como açougueiro e afinador de buzinas. Ele diz que não sabe o que teria sido sua vida se não fossem os Beatles.  “A primeira vez que eu ouvi os Beatles tudo ficou claro na minha cabeça: é isso que eu também quero fazer na minha vida. Música é a minha vida e parece que era para ter sido assim. Sem a música eu não teria sabido viver por tanto tempo”.

Ele diz que ainda escuta Beatles todos os dias. “Eles faziam grandes músicas com grandes melodias. McCartney é um dos maiores músicos da terra. Eles criaram coisas que tocaram meu coração e me fizeram voar”.  

Olhando para trás na carreira que teve sucessos, insanidades e problemas na mesma medida, Ozzy diz que tem alguns arrependimentos, mas deixa-os para lá.“Sempre há arrependimentos, é parte de estar vivo. Você paga algumas contas de acordo com o jeito que escolheu viver, mas eu não fico remoendo ou chorando erros do passado”.

Os Osbournes estão de volta, agora em podcast

Treze anos depois, a série The Osbournes, um dos reality shows mais famosos da tevê entre 2002 e 2005, voltou a ser apresentado, agora no formato de podcast.  O episódio número 1 da nova fase da série estreou em março.

No novo formato, o casal Ozzy e Sharon e seus filhos Jack e Kelly vão lembrar dos velhos tempos da série e contar histórias de bastidores e receber convidados. “Meu filho está por trás disso, ele sabe que o pessoal hoje gosta de ouvir isso. Eu achei legal, pois sou um cara que ouviu rádio desde criança”.

Escute o podcast dos Osbournes aqui. Ozzy disse que gostou do resultado do novo programa.  “É engraçado. Já gravamos uns seis episódios. Escutem que vocês vão gostar”.

Tags

Deixe sua opinião

Mais lidas do Guia

Quem tem

tem descontos

Garanta já seu desconto