Gazeta recomenda

Últimas chances para ver peça que mostra porque Hitler não conseguiu destruir a Mona Lisa

Estreia no Estúdio Delírio texto de Édson Bueno que mostra como uma conversa salvou a Paris da 2ª Guerra

  • Sandro Moser
  • 28/09/2018
  • 15:28
Últimas chances para ver peça que mostra porque Hitler não conseguiu destruir a Mona Lisa Dois homens, uma noite e o destino de parte da arte mundial decidido numa guerra de palavras. Foto: Chico Nogueira/divulgação
hitler hitler

Um dos episódios mais extraordinários da história da arte e da guerra são a base da peça “Mona Lisa vs Adolph Hitler”, novo espetáculo do dramaturgo Édson Bueno, em cartaz até este domingo, 30 de setembro. As apresentações são sempre às 20h, no Estúdio Delírio (R. Saldanha da Gama, 69).   

O teatro que serve de casa para o Grupo Delírio é o menor (30 lugares) e mais aconchegante de Curitiba. A ideia é que o público se “sinta em casa”, podendo até consumir bebidas durante a apresentação.

LEIA TAMBÉM

>>> Conheça o menor e mais animado teatro de Curitiba

A peça é baseada na história real ocorrida em 1944, nos momentos finais da 2ª Guerra Mundial. A cidade de Paris ainda estava sob domínio do exército nazista, mas prestes a ser libertada pelas tropas aliadas. Com a capitulação iminente, Adolf Hitler ordenou seu comandante geral, o general von Choltitz, a devastar a Cidade Luz: construções, monumentos e obras de arte deveriam ser destruídas.

Na véspera da tomada desta decisão, o general alemão recebeu a visita do cônsul sueco em Paris que, numa tentativa de argumentação desesperada, buscou convencer o militar a não cometer o crime contra a humanidade.

É esta conversa – que de fato aconteceu – que Bueno transforma na peça em que atua ao lado de Marcos Luis Maciel e Edgard Assumção. Segundo Bueno, o jogo dramático encenado pelos dois personagens é uma reflexão sobre a dissimulação e o amor pela humanidade.

Para o autor, a personagem central da peça é a palavra: “Não é uma história sobre alemães e franceses ou um general alemão e um diplomata sueco ou sobre dilemas morais em tempo de guerra", explica. "É sobre a convicção de um homem que na conversa, enganando, mentindo e sendo honesto pode conseguir coisa extraordinárias e também como as palavras, ao contrário do que se pensa, têm o poder de acabar com as guerras e mudar o pensamento dos homens”.

Tags

8 recomendações para você

Deixe sua opinião

Mais lidas do Guia

Quem tem

tem descontos

Garanta já seu desconto