O documentário aborda a libertação do corpo da mulher brasileira, por meio de um conceito intitulado "docficção", em que o jornalista Marcos faz uma autorreflexão sobre racismo e machismo impregnados em sua própria vivência e na sociedade.